Primeiro vidro sensível ao toque antimicrobiano em computador de grau médico no mundo é lançado

115

A Cybernet tem o prazer de anunciar o primeiro computador médico totalmente antimicrobiano. Os computadores de grau medico da Cybernet sempre contaram com uma estrutura com propriedades antimicrobianas moldadas diretamente na resina e, agora, pode oferecer também o vidro sensível ao toque completamente antimicrobiano de modo que o dispositivo fique 100% protegido contra a formação de bactérias.

A tela de vidro sensível ao toque será fabricada nos modelos de 20, 22 e 24 polegadas. O equipamento passou por testes e recebeu certificação da FDA para uso tanto em ambientes médicos quanto em ambientes onde há contato com alimentos, além de haver sido aprovado nos Testes de Resistência Fúngica contra os fungos Aspergillus, Penicillium e Chaetomium. Este material estará disponível de imediato nos computadores médicos da série CyberMed S e da série NB.

Esta tecnologia é semelhante à tecnologia usada na tela sensível ao toque antimicrobiana dos tablets médicos CyberMed Rx, também pioneiros mundiais quando de seu lançamento, três anos atrás. Esta é a primeira vez que esta tecnologia é empregada em uma tela sensível ao toque de tão grandes dimensões e trata-se de um marco importante, uma vez que os softwares EMR e os computadores com telas sensíveis ao toque são presença quase que obrigatória em todas as instalações da área da saúde.

“O desenvolvimento desta tela sensível ao toque antimicrobiana é apenas mais uma das inovações tecnológicas que a Cybernet traz para o segmento de HIT (tecnologia da informação em saúde)”, comentou Ali Bagheri, VP de Operações Globais da Cybernet. “Se pararmos para pensar, a tela de um computador all-in-one é uma das superfícies que as pessoas mais tocam em um hospital. Para nós, fazia muito sentido proteger essa superfície com um agente antimicrobiano.”

A tecnologia utilizada para criar a tela touchscreen é um processo patenteado que liga as propriedades antimicrobianas ao vidro, o que significa que o agente não degrada ou não sai da superfície, mesmo após o uso de desinfetantes químicos. Prevenir a disseminação de doenças dentro de um hospital é uma batalha cada vez mais difíceis do setor e esta é mais uma ferramenta à disposição dos médicos.

Deixe seu comentário