Riscos cardiovasculares podem ser piores para raciocínio e memória de mulheres de meia-idade

Problemas cardíacos como a doença arterial coronariana e fatores de risco cardiovasculares como diabetes e colesterol alto têm maior associação com declínio nas habilidades de memória e raciocínio durante a meia-idade para mulheres do que para homens, mostra um estudo da Mayo Clinic. Isso acontece apesar de uma prevalência maior dessas condições em homens. A pesquisa foi publicada na Neurology, revista médica da Academia Americana de Neurologia.

“É fato conhecido que os homens, em comparação com as mulheres, apresentam maior prevalência de doenças cardiovasculares e fatores de risco na meia-idade. No entanto, nosso estudo sugere que mulheres na meia-idade com essas condições e fatores de risco correm maior risco de declínio cognitivo”, diz a autora sênior Dra. Michelle Mielke (Ph.D.), epidemiologista e neurocientista da Mayo Clinic. “Embora todos os homens e mulheres devam ser tratados para doenças cardiovasculares e fatores de risco na meia-idade, pode ser necessário que as mulheres tenham um monitoramento adicional como um meio potencial de prevenir o declínio cognitivo.”

A pesquisa usou o estudo populacional Mayo Clinic Study of Aging que incluiu 1.857 participantes sem demência, com 50 a 69 anos em sua visita inicial. Dos participantes, 920 eram homens e 937 eram mulheres. A cada 15 meses por três anos, em média, a cognição global dos participantes do estudo foi avaliada com nove testes de memória, linguagem, função executiva e habilidades espaciais.

As informações sobre a condição cardiovascular e os fatores de risco foram obtidas com base no estudo populacional Rochester Epidemiology Project. As condições incluíam doença arterial coronariana, distúrbios do ritmo cardíacoinsuficiência cardíaca congestivadoença arterial periférica e AVC. Os fatores de risco incluíam pressão arterial alta, diabetes, colesterol alto, tabagismo e obesidade. Cerca de 79 por cento dos participantes, ou 1.465 pessoas, tinham pelo menos um fator ou condição de risco cardiovascular: 83 por cento dos homens, em comparação com 75 por cento das mulheres.

O estudo descobriu que entre as mulheres, a maioria das condições cardiovasculares estava mais fortemente associada à função cognitiva. O declínio cognitivo global anual associado à doença arterial coronariana, por exemplo, foi mais de duas vezes maior para as mulheres do que para os homens.

Além disso, diabetes, colesterol alto e doença arterial coronariana foram associados a um maior declínio de linguagem nas mulheres. No entanto, a insuficiência cardíaca congestiva foi associada a um maior declínio de linguagem nos homens.

É importante entender as diferenças entre os gêneros no desenvolvimento do comprometimento cognitivo para melhorar a saúde de mulheres e homens, diz a Dra. Mielke. Adultos de meia-idade, especialmente mulheres com histórico de doenças cardíacas, podem representar subgrupos críticos para o monitoramento precoce. São necessárias mais pesquisas em outras faixas etárias para examinar os mecanismos potenciais que explicam as diferenças entre os gêneros na relação entre fatores cardiovasculares e cognição, como hormônios, genética, estilo de vida e fatores psicossociais, diz a Dra. Mielke.

Esse estudo foi financiado por subsídios dos National Institutes of Health e da GHR Foundation, e os recursos foram fornecidos pelo Rochester Epidemiology Project, com apoio do National Institute on Aging.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor insira seu comentário
Por favor insira seu nome aqui

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.