Artigo – Sinal amarelo para o suicídio

16

A depressão é o mal do século, uma epidemia crônica que, todos os anos, provoca a morte de cerca de 12 mil pessoas no Brasil. Dados da Organização Mundial da Saúde (OMS) mostram que o país é o campeão mundial em casos de transtorno de ansiedade e ocupa o segundo lugar em transtornos depressivos, um dos fatores que podem levar ao suicídio.

No Setembro Amarelo, mês que alerta para a necessidade de cuidar da saúde mental, prevenir o suicídio e tirar todo o estigma e preconceito que cercam os problemas, é indispensável discutir os mecanismos de avaliação médica e psicológica dos condutores de veículos. A ciência nos mostrou que alterações mentais podem interferir na capacidade de dirigir, aumentando os riscos de acidente e também dos casos de violência no trânsito. Mais que isso, os exames podem detectar precocemente transtornos mentais que incapacitam milhares de brasileiros para o trabalho.

Atualmente, a avaliação da saúde mental dos motoristas comuns é feita apenas no momento da habilitação, aos 18 anos. Nesta idade, as pessoas ainda estão em fase de desenvolvimento de suas condições biopsicossociais, por isso essa única avaliação da saúde mental não é suficiente para identificar precocemente condições que amplificam riscos para todos os integrantes do Sistema Nacional de Trânsito.

Para os condutores profissionais, esses exames são feitos periodicamente, no momento de renovação da Carteira Nacional de Habilitação (CNH). Mas, recentemente, o Congresso afrouxou as regras de trânsito, ampliando esse prazo, uma medida que certamente provocará o aumento das mortes e acidentes de trânsito.

As avaliações feitas por médicos e psicólogos especialistas em Trânsito entendem a saúde como algo global, o que chamamos de modelo biopsicossocial, e têm o potencial de descobrir enfermidades e condições que podem resultar em acidentes, brigas de trânsito, depressão e o suicídio. A palavra-chave para salvar vidas é a prevenção.

Parece incoerente ter um mês para discutir os transtornos mentais e o suicídio e não destacar a importância da avaliação da saúde mental dos condutores. Por isso, a Mobilização Nacional dos Médicos e Psicólogos Especialistas em Trânsito defende o Projeto de Lei 98/2015, que prevê a avaliação psicológica a cada renovação da CNH.

O PL 98/2015 que está parado no Senado, representa um avanço e pode salvar inúmeras vidas,pois permite identificar precocemente condições psicológicas que alteram a capacidade de dirigir e de conviver harmoniosamente no trânsito.

O que vemos nas ruas hoje corrobora a urgência em cuidarmos melhor da saúde mental dos motoristas. A quarentena modificou a forma como os brasileiros vivem, se relacionam e se comportam no trânsito. Os veículos passaram a ser cada vez mais utilizados e isso teve consequências no comportamento do motorista, com a exacerbação do perfil agressivo e individualista. Ao mesmo tempo, a pandemia provocou um aumento dos casos de ansiedade, depressão e outros transtornos mentais.

Neste Setembro Amarelo, mais do que nunca, é o momento de ampliarmos nosso olhar para a saúde física e mental de nossos motoristas. É a hora de abdicarmos de discursos corporativistas e polarizados em prol da preservação de vidas no trânsito do Brasil.

 

Alysson Coimbra é médico especialista em trânsito, coordenador da Mobilização Nacional dos Médicos e Psicólogos Especialistas em Trânsito

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor insira seu comentário
Por favor insira seu nome aqui

três × 4 =

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.