Anvisa aprova registro definitivo da vacina da Janssen contra Covid-19

A Janssen, farmacêutica da Johnson & Johnson, acaba de receber a aprovação regulatória da Anvisa (Agência Nacional de Vigilância Sanitária) para o registro definitivo de sua vacina contra a Covid-19 no Brasil. O imunizante recebeu aprovação para uso em indivíduos a partir de 18 anos de idade em regime de dose única, como dose de reforço homólogo, pelo menos dois meses após a imunização primária com uma dose da vacina da Janssen, ou heterólogo, para indivíduos vacinados com imunizantes que utilizam a tecnologia de RNA mensageiro. Desde março de 2021, a vacina da Janssen contra a Covid-19 já possuía autorização para uso emergencial no Brasil e a companhia forneceu 38 milhões de doses ao Ministério da Saúde.

A aprovação foi concedida com base na análise do estudo de Fase 3, ENSEMBLE, incluindo dados de eficácia, segurança e imunogenicidade. A pesquisa realizada com aproximadamente 44 mil participantes em oito países, incluindo o Brasil, mostrou eficácia geral forte e duradoura de 75% contra Covid-19 grave/crítica a partir de 28 dias após a aplicação da dose única da vacina em todas as faixas de idade e países incluídos no estudo.

A submissão à Anvisa também incluiu resultados do estudo de Fase 3, ENSEMBLE 2[1], que evidenciou que a administração de uma dose de reforço após dois meses forneceu 75% de eficácia contra Covid-19 moderada a grave/crítica e 100% de proteção contra casos graves/críticos, pelo menos 14 dias após a vacinação de reforço.

Resultados preliminares do estudo sul-africano de Fase 3b, Sisonke 2[2], demonstraram 85% de eficácia contra hospitalização pela variante Ômicron com uma dose de reforço homóloga (mesmo imunizante) contra a Covid-19. A pesquisa, conduzida pelo Conselho de Pesquisa Médica da África do Sul (SAMRC), mostrou que o reforço da Janssen aplicado entre seis e nove meses após a imunização primária reduziu o risco de hospitalização devido à Covid-19 nos mais de 227 mil profissionais de saúde participantes depois que a Ômicron se tornou a variante dominante no país. A companhia continuará fornecendo dados clínicos de eficácia e segurança para a agência ao longo dos próximos meses.

Uma nova dose também poderá ser aplicada como reforço homólogo, no mínimo dois meses após a vacinação primária com o imunizante da Janssen, e para aqueles que receberam o regime primário com vacina de RNA mensageiro autorizada pela Anvisa. O imunizante ainda é compatível com os padrões de armazenamento e distribuição de vacinas em todo o mundo e os dados de estudos de avaliação de estabilidade demonstraram que a vacina é estável por vinte quatro meses quando armazenada a -20 graus Celsius, e seis meses quando refrigerada a temperaturas entre 2 e 8 graus Celsius.

Os dados apoiam um cronograma que fornece benefícios aos indivíduos com base em seus riscos associados à Covid-19, seja administrado como uma dose única para uma resposta rápida e eficiente à pandemia, ou como uma dose de reforço após pelo menos dois meses — para proteção contra casos sintomáticos de Covid-19. A capacidade de aumentar as respostas imunológicas, independentemente do regime de vacinação primário que um indivíduo recebeu, fornece ainda mais flexibilidade na proteção daqueles já imunizados.

Mais informações sobre a abordagem da empresa para ajudar a combater a pandemia no portal Janssen.

Referências:

[1] Johnson & Johnson Announces Real-World Evidence and Phase 3 Data Confirming Strong and Long-Lasting Protection of Single-Shot COVID-19 Vaccine in the U.S.

[2] Johnson & Johnson COVID-19 Vaccine Demonstrates 85 Percent Effectiveness against Hospitalization in South Africa when Omicron was Dominant

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor insira seu comentário
Por favor insira seu nome aqui

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.